sexta-feira, 26 de maio de 2017

Sublimes - Eu queria um amor remixes (single promocional - Item de colecionador)

Capa

Esse trabalho musical é daqueles que a equipe do Brasilremixes gosta muito, pois está recheado de versões e remixes bem interessantes. O single promocional e raro da canção “Eu queria um Amor”, do grupo Sublimes, foi distribuído em 1997 pela gravadora Sony Music.
Contracapa

A música “Eu queria um amor” (cover de "My cherrie amour", imortalizada por Stevie Wonder) contém a participação especial da cantora Mary Wilson, que fazia parte do trio americano The Supremes, que serviu de inspiração para solidificar o trabalho do trio brasileiro  Sublimes.
Encarte 1
Encarte 2

A produção do álbum e dos remixes do single, ficou a cargo do produtor Tuta Aquino, que contou com a participação do saxofonista multipremiado Michael Brecker. Utilizando o estilo musical voltado para o R&B e a Soul music, na época de lançamento, as integrantes das Sublimes (Lilian Valeska, Flávia Santana e Karla Prietto) fizeram sucesso em algumas regiões do país, ao conquistar seu espaço na esfera musical pop contemporânea adulta.
 
O single possui as seguintes versões:

Análise: Versão original não é remix. Mas ficou ótima para ser tocada em programas de rádio.
           
2- Eu Queria Um Amor (Steve's Melodica Mix) 4´13
Análise: Versão quase igual à faixa original. A principal diferença na melodia foi o “charme” musical proporcionado pela de gaita de boca. Um típico instrumento musical utilizado em canções americanas na década de 80, direcionadas ao mercado pop.

3- Eu Queria Um Amor (Classic Sax Instrumental) 4´22
Análise: Ótima versão instrumental com adição de saxofone.
           
4- Eu Queria Um Amor (Raw Hip Hop Mix) 4´25
Análise: Bom remix com referências do Hip Hop. 

5- Eu Queria Um Amor (Raw Hip Hop Instrumental) 4´24
Análise: Remix igual à versão anterior, mas instrumental.
           
6- Eu Queria Um Amor (SFB Vocal Dub Mix) 6´37
Análise: Remix interessante com referências da House Music moderada.

7- Eu Queria Um Amor (SFB Instrumental Dub Mix) 6´35 
Análise: Remix igual à versão anterior, porém instrumental.

Análise: Ótimo remix com referências da House Music voltado para pista de dança. A equipe do blog percebeu no arranjo inicial do remix uma suave influência de efeitos vocais à la  “Space Cowboy” do Jamiroquai! Se joga!

9- Eu Queria Um Amor (Do.Re.Mix Instrumental Version) 6´33  
Análise: Remix igual à versão anterior, porém instrumental e editado.

10- Eu Queria Um Amor (Do.Re.Mix Radio Version) 4´05
Análise: Remix igual à versão Club version, porém  editado para tocar em programas de rádio.

11- Eu Queria Um Amor (A Cappella) 3´54
Análise: Não se trata de um remix, é a voz do artista sem o acompanhamento dos instrumentos musicais. Aqui os ouvintes fazem a própria versão de acordo com seu gosto pessoal.
CD

* Para a felicidade dos fãs e colecionadores de remixes, as versões Dance remix e Hip Hop remix foram incluídas como faixa bônus, no álbum homônimo das Sublimes, também lançado oficialmente em 1997.

** Agradecimento especial ao colecionador Vinicius Teixeira, por ter gentilmente fornecido as imagens do single, que ilustraram a postagem de hoje. 

*** E aqui podemos ver a capa do álbum do grupo Sublimes.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Patricia Marx - ...E o meu amor vi passar / Earth remix (single promocional - Item de colecionador)

Capa

Bem distante das melodias utilizadas nos tempos do grupo Trem da alegria (sic) lá na década de oitenta - no século passado, a nova fase artística da cantora Patrícia Marx, nos presenteou com duas canções, que exploram muito bem o conceito musical pop contemporâneo adulto no tempo atual. Aliás, o público percebeu que não foram feitas apenas mudanças de estilos musicais. Mas, de todo um projeto artístico pessoal.
Contracapa

Lançado em 2003 pela gravadora TRAMA, o single vinil 12” registra um trabalho musical com personalidade e luz própria da cantora Patrícia Marx, que apresenta uma tonalidade de voz bem suave nos remixes das canções “...E o meu amor vi passar” e “Earth”.  Entretanto, mesmo que as versões não sejam direcionadas para pista de dança, o single promocional registra três remixes que impressionam pela qualidade e sofisticação. As faixas foram produzidas por Makako Project (Bill F. e Ady Harley) e Bruno E. Todas apresentam uma sonoridade eletrônica voltada aos beats de Downtempo, que faz parte da atmosfera musical de ambientes como Lounges e Chill outs.
Patricia Marx / reprodução

O único detalhe que a equipe do blog achou estranho foi o nome “Makako Project”. A equipe do Brasilremixes não vai entrar na briga do “politicamente correto”. Entretanto, estamos cansados de ver a música brasileira envolvida no eterno conceito de selva amazônica e seus aspectos tropicais e selvagens. Por diversas vezes, quando alguns gringos se referem ao Brasil, de uma forma ou de outra a estética da floresta e seus habitantes acaba sendo utilizada como referência.

Makako Project é um nome que lembra macacos. A palavra macaco é de origem africana (Makako). No Brasil, o termo é estupidamente utilizado por um bando de descerebrados preconceituosos para perseguir e criticar pessoas de origem africana. Em tradução literal poderíamos entender que “Makako Project” significa Projeto macacos. O que o pessoal estaria querendo dizer com isso? Apenas porque o Brasil lembra macacos, então você vai utilizar o termo para definir a nomenclatura de um remix? Enfim, ponto final. (Foi só para não passar despercebido!).

O single contém as seguintes faixas:

LADO A
A1- ...E O Meu Amor Vi Passar (Makako Project Remix) 6´36
A2- ...E O Meu Amor Vi Passar (Album Mix)   5´51

LADO B
B1- ...E O Meu Amor Vi Passar (Bruno E. Nu Alma Mix)6´34
B2- Earth (Makako Project Remix) 5´00

* Não há registro que o single vinil 12” tenha sido editado em Cd.

** As músicas apresentadas neste single, foram originalmente incluídas no álbum Respirar  lançado em 2002, pela gravadora TRAMA.

*** Ninguém, nos Estados Unidos utiliza a referência musical "Black Music", na mesma forma que no Brasil. Isso ocorre pelo fato do termo ser considerado ofensivo para a comunidade negra americana. Então tá! Os americanos podem colocar barreiras nessa história. Mas, por que os Brasileiros não podem?! O Brasil aceita tudo e finge que não existe preconceito racial! Faz nos rir...

O tempo passa e lembramos que o mundo está em 2017. Tudo o que era aceito no passado, não significa que será praticado eternamente! A escravidão no Brasil também era aceita e perpetuada por lei, mas a história mudou. Há quem afirme que ninguém presta atenção nesses detalhes! Então, convidamos os internautas para viajarem para alguns países islâmicos com o crucifixo de Jesus pendurado no pescoço, e observem se eles não cortam fora rapidinho!!! Um dos problemas do Brasil é que a sociedade se faz de desentendida. E, por essa “distração”, o país sustenta e perpetua diariamente, as desigualdades que possui ao acreditar que suas ações irão dar em nada!

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Djavan - Eu te devoro remix (single promocional - Item de colecionador)

Imagem do single s/ encarte

Os leitores do Brasilremixes já perceberam que o final do milênio pode ser considerado uma época de ouro (nos anos 90) para os remixes de artistas brasileiros, devido ao grande número de lançamentos e projetos musicais que beberam e se esbaldaram da estética dançante.
Djavan / imagem reprodução

Hoje relembramos de um Cd single raro do cantor Djavan para a canção “Eu te devoro”. A música foi originalmente incluída no álbum “Bicho Solto O XIII”, lançado pelo cantor em 1999. Porém, como não há registro de data oficial do laçamento do Cd promo e também não há uma nota pública de esclarecimento (até a data de fechamento dessa postagem) dizendo quem é o pai, o filho e o espírito santo; se deduz que o single tenha sido divulgado em 1999/2000.
Detalhe do Cd

Entre todas as versões, apenas duas foram remixadas pelo produtor Paulo Jeveaux, que também assina pelo codinome “Paulo G-Vô”. Os remixes não apresentam surpresas e seguem o estilo pop moderado, ótimo para agitar programas de rádio. Na época, o remix não funcionou na pista de dança jovem porque a juventude estava curtindo uma outra vibe musical. Talvez seja uma boa pedida para os Djs tocarem em festas da galera que gosta de MPB. A classe rica pós 40, também poderá curtir em suas baladinhas particulares em apartamentos de cobertura ou em iates luxuosos navegando pelo litoral brasileiro. O single promo foi distribuído pela gravadora SONY.

O Cd single registra as seguintes faixas:

1- Eu Te Devoro (Versão original) 4´58
3- Eu Te Devoro (Extended Mix) 6´50

* Não há registro que o single tenha sido editado em vinil 12”.

** O remix da canção “Eu te devoro” ficou de fora dos remixes lançados pelo cantor em 2005, na coletânea “Na pista”, já divulgado pelo blog. Para rever clique aqui!

*** Agradecimento especial ao fã e colecionador Everton C. Santana, por ter gentilmente fornecido a imagem do single, para ilustrar a nossa postagem.