sábado, 30 de julho de 2016

Karla Sabah - Corações Psicodélicos remix (single promocional)

Capa

A cantora Karla Sabah também marcou presença no cenário musical eletrônico brasileiro, com o ótimo álbum Drum´n´Bossa, que chegou ao mercado em 2004, pela gravadora Indie records.
Encarte

Nessa época, diversos gêneros de música eletrônica haviam ultrapassado as paredes dos clubes e agitam a programação diária de algumas emissoras de rádio pelo país. Quer dizer, ao menos naquelas emissoras que tinham profissionais e um público com posicionamento musical voltado para a contemporaneidade. O que, de certa forma, não era e não é uma característica unanime na sociedade brasileira, que sofre pela falta de compreensão do tempo e do espaço em que vive. Atitudes do tipo: Nasci no tempo presente, mas quero viver uma vida musical do passado ou nasci na cidade, mas quero viver uma cultura do campo e vice-versa.

É o típico problema enfrentado por várias pessoas sem posicionamento que querem sentar em várias cadeiras, mas no final acabam se sentando no chão.
Essa é uma realidade social corriqueira tão imbecil, mas tão imbecil, que a resposta mais plausível seria:

- Se era pra viver numa confusão de tempo e espaço, certas pessoas nem deveriam ter nascido. Gostar é uma coisa, viver é outra.

Continuando....
Contracapa

No mesmo ano, a cantora divulgou um single remix promocional da canção Corações psicodélicos.  A letra da música foi composta pelo cantor Lobão em parceria com Bernado Vilhena (ver cantor Ritchie) e Julio Barroso (ver Gang 90). A canção original virou hit no inicio de carreira da banda Titãs, lá na década de 80.  Ao regravar a melodia, Karla Sabah conseguiu fazer uma ótima releitura do antigo sucesso que até ganhou um belo remix em Drum´n´bass (Madzoo´s Kosmic Sessions) produzido pelo próprio Madzoo.

O single apresenta três faixas:

1- Corações psicodélicos (Versão original) 4´07
2- Corações psicodélicos (Mix Edit) 4´30
CD

* Existem poucas informações e pesquisas no meio acadêmico que falam e discutam sobre o tema: música X escravidão X imitação X cultura X raízes X sociedade X educação X desenvolvimento X tempo. Muitos estudiosos que falam sobre o assunto não fazem, didaticamente, uma associação e uma comparação de custo X benefício sobre o assunto.

** Existe um detalhe que poucos notaram, mas na comparação de imagens a equipe do Brasilremixes percebeu que existe uma edição promocional do Cd single, com foto de capa e contracapa diferentes. Na imagem seguinte, você pode notar que as cores são outras.

Capa e contracapa diferente do mesmo single 

*** Para a felicidade dos fãs e colecionadores, o remix principal do single foi incluído no álbum Drum´n´bossa.
  
*** Não há registro que o single tenha sido editado em vinil.*

sábado, 23 de julho de 2016

MUGOMANGO - Elétrico Brasil 2002 (álbum)

Capa

Todo o país que possui dimensões continentais como Brasil tem dificuldade em conhecer os artistas que produz e na música não é diferente. Na postagem de hoje, apresentamos o trabalho de MUGOMANGO. Quem entende e ouve música eletrônica como um todo, vai se surpreender com este álbum. Não se trata de um trabalho comercial ou alternativo cheio acordes musicais folclóricos misturados de forma superficial com texturas computadorizadas. O álbum possui atitude sem cair na repetição de fórmulas musicais meramente dançantes ou na tentativa de parecer moderno.
 
Arthur Joly /  Fotografia by (Gabriel Quintão)

MUGOMANGO é o nome artístico de Arthur Joly que além de produtor e compositor, também é multi-instrumentista. Figura conhecida e atuante na cena musical paulistana, Arthur lançou seu primeiro álbum com o título de Elétrico Brasil 2002, pela gravadora independente Reco-Head records.
Encarte 01
 
Encarte 02 a
Encarte 02 b

Mesmo que o Cd já tenha sido lançado oficialmente há mais de dez anos, a sonoridade das musicas não ficaram parecendo uma electro-disco-music saudosista. Em meio a diversas referências e estilos eletrônicos, o álbum passeia por ritmos brasileiros e adiciona um toque especial de contemporaneidade nas canções. Ao fazer uso de timbres sintetizados, MUGOMANGO, esbanja habilidade na produção, na criatividade e na masterização das 16 faixas que compõem o disco.
Contracapa

Além possuir uma sonoridade forte e de ter sido bem recebido pela crítica musical internacional, sem dúvida, para aqueles que acompanham o desenvolvimento da musicalidade eletrônica brasileira, a proposta do Cd marca território na lista de referências musicais eletrônicas mais importantes do país. Ouça à vontade! Recomendamos!

O álbum registra as seguintes faixas:

1- Elétrico Brasil 2002
2- Jazzy Mugo
3- Drum V.B.
4- Miles X Hermeto - 1º Round
5- Copa 70
6- Beewax
7- Jimmy's mines
8- Drum vagum
9- Quimica beat grool
10- Preta menina
11- A preferência nacional
12- Mugo trois
13- Domingo introspectl
Bonus tracks
14- Cambridge apt 42
15- Um whisky com vinil
16- Je suis um lac et tu me sec
CD
*Capa/contracapa da “luva” que acompanha o álbum.

** Para ouvir o Cd clique aqui

** MUGOMANGO acaba de lançar um novo álbum chamado Elétrico Brasil 3003, mas essa resenha vai ficar para um outra ocasião. 

sábado, 16 de julho de 2016

Tune Series vol.4 - CROSSOVER [Julio Torres+Amon Lima]

Capa

Depois que o Brasil viveu o primeiro “boommm” da música eletrônica no país - na virada do século, a cena ganhou maturidade e até já pode comemorar um avanço melódico bem promissor na formatação de suas canções. Como prova do desenvolvimento no conceito musical elétrico, apresentamos a ótima compilação Tune Series vol.4 - CROSSOVER (Julio Torres+Amon Lima).
Encarte 01

O conceito de misturar a parafernália eletrônica com instrumentos musicais orgânicos vindos da escola musical popular, folclórica e erudita/clássica, não é novidade. Vários artistas internacionais já beberam dessa fonte e o resultado final mostrou trabalhos melódicos muito bem estruturados e criativos. No Brasil também existem alguns exemplos. Porém, não é muito comum esse tipo de contato musical em terras tropicais, tanto por parte do público de conhecimento limitado como por parte de alguns artistas acomodados. 
Encarte 02

A coletânea organizada pelo Dj Julio Torres e o músico (violonista) Amon Lima que formam a dupla CROSSOVER, apresenta diversas canções de vários artistas nacionais. Todas as melodias são acompanhadas pela sonoridade do violino + a vibração eletrônica com levada House bem característica das festas mais tops do país. Além de ter uma boa masterização, as canções estão no mesmo nível de trabalhos musicais internacionais semelhantes. O que pode ser considerado uma ótima surpresa!!!
Contracapa

Também lembramos que a textura melódica das canções possuem o objetivo de satisfazer um público musical mais selecionado e exigente. São pessoas legais que não querem saber de baticum brasileiro, apenas. Porque o baticum brasileiro elas ouvem em todo o lugar. Portanto, mesmo estando no Brasil, elas ou qualquer outra pessoa tem o direito de se divertir com um estilo musical mais sofisticado. Recomendamos! Ouça sem culpa de ser feliz!  A compilação foi lançada em 2011 pela LK2Music.

A coletânea apresenta o seguinte playlist:

1. Andre Guarda – Hot Deep (Original mix) 8´05
2. Yosh (Sato),Gabriel Rocca – The Events (Original mix) 5´59
3. Paolo Mojo – Play Your Hand (Talking Props Remix) 6´45
4. Rafael Noronha – All I Need (Original mix) 4´56
5. Julio Torres – Lights Off (Original mix) 8´03
6. Gabriel Rocca, Kill your Tv & Yosh (Sato) – LeCat (Original mix) 4´25
7. Glocal – Feels Like I Do (Anhanguera Remix) 4´25
8. G. Castro & Truati – The One (Original mix) 7´32
9. Kill your Tv – If it Moves, Funk It (Original mix) 5´43
10. One & Raff Man – You Git The Funk (Original mix) 5´12
11. Daniel Marques & Marcello V.O.R – In Our Days (Anhanguera Remix) 4´09
12. Dexterz – I Like That (Original Mix) 5´12
13. Crossover – Space Invaders (Original Mix) 3´32
CD 

* Não há registro que a compilação tenha sido lançada em vinil. 

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Carrapicho - Tic, Tic Tac Club remixes (single comercial)

Capa

De acordo com especialistas na área de entretenimento, essa canção se enquadra naquele grupo de melodias que fazem parte do respiro.
- Respiro? O que quer dizer com isso?
Trata-se de uma melodia de um determinado estilo musical feito para contemplar/agradar/representar a um tipo de consumidor bem específico. Entretanto, quando a canção ultrapassa fronteiras e faz sucesso além do público direcionado, significa que a sociedade está aberta a novos conceitos musicais ou que está saturada com a repetição melódica e procura um pouco de alívio para os ouvidos.

Esse fenômeno pode explicar porque certas canções envolvidas com um aparato teatral ou exótico acabam chamando mais atenção do que outras musicas mais estruturadas. Segundo psicólogos, esse tipo de comportamento é algo normal nos seres humanos e o blog do Brasilremixes é um dos poucos sites musicais a mencionar essa situação em suas resenhas. Dizem que o artista pode fazer a melhor música do mundo, mas se em determinado momento o público estiver enjoado, tenha certeza, o artista não vai alcançar o sucesso pretendido e sua carreira poderá ser transformada numa loteria repleta de tentativas.

Pausa X Cansaço

Em todas as décadas na cena musical brasileira ocorreram exemplos semelhantes. Rock, Poprock, MPB, Pagode, Samba, Dance, Axé, Hip Hop, Rap, Bossa Nova, regionalismos, folclore, música Clássica, estilos eletrônicos variados e demais gêneros musicais, já passaram ou irão enfrentar o mesmo problema. Ou seja, sob o ponto de vista musical do público consumidor não significa – necessariamente – que uma determinada melodia bem produzida seja ruim, mas se ela não fizer sucesso, pode sugerir que o público está cansado da mesma estética e procura outras possibilidades de entretenimento musical. Esse fato, mesmo que passageiro, pode justificar o sucesso de determinadas canções em ambientes musicais com públicos diferentes.

Para ilustrar essa situação, estudiosos observam que vários artistas “fora do padrão mainstream” sacudiram os clubes e emplacaram diversos hits nas pistas de dança. Kaoma - Lambada, Proyecto uno – Está pegao/ El tiburóm, Lou Bega – Mambo Number 5 , Tarkan – Simarik, Los del Rio – Macarena, Khaled - El Arbi, OMC – How Bizarre, Brazil attacks – É o tchan, Mercosur – Carnavalito e até Tic, Tic Tac da banda Carrapicho, compõem a teia de canções surpresas, que  seduziram parte do gosto do musical dos consumidores. Entre os exemplos atuais, poderíamos citar o caso do cantor Michel Teló com a canção “Ai se te pego” e Gustavo Lima com a música “Balada (Tchê Tcherere Tchê Tchê)”. Ambas, atingiram o sucesso internacional.

Não! Não vamos misturar o assunto com as Spice girls, os Backstreet boys, Britney Spears e artistas semelhantes. Nosso exemplo segue uma linha direcionada aos conceitos musicais praticados no interior, na periferia e no folclore popular. Os quais, de certa forma acabaram fazendo grande sucesso comercial no ambiente urbano. Portanto, o fenômeno das Spice girls, dos irmãos Hanson, dos Backstreet boys, da Britney Spears e boybands da vida já são produtos urbanos e se incluem em outro tipo de categoria.

Banana Business

Há 20 anos o grupo Carrapicho surgiu no cenário musical tupiniquim, como representante da turma do folclore e do regionalismo da região norte do Brasil. A canção “Tic, Tic Tac” foi originalmente gravada pelo grupo folclórico Boi Garantido, mas em 1996 caiu nas graças de produtores musicais europeus e se tornou um grande sucesso internacional. A melodia ganhou diversos singles e remixes editados em vários países e virou Top-hit comercial entre 96/97.

Entre os singles e os discos promocionais da canção Tic, Tic Tac que foram oficialmente lançados, a equipe do blog vai ilustrar apenas os mais importantes:

Nos Estados Unidos foi lançado em 1996 um single editado em vinil com as seguintes versões:
Capa

A  - Tic Tic Tac (Rosabel Tiki-Tiki Dub) 11´41
B1 - Tic Tic Tac (Rosabel House Mix) 8´41
B2 - Tic Tic Tac (Mardi Gras Cha Cha Mix) 7´07

C1 - Tic Tic Tac (Bang Da Drum Mix) 7´00
C2 - Tic Tic Tac (Bang Da Drum Dub) 7´00

D1 - Tic Tic Tac (Play Hard House Mix) 6 ´14
D2 - Tic Tic Tac (Batucada HNRG Mix) 4´30

Nos Estados Unidos foi lançado um outro single promocional editado em Cd com os seguintes remixes:
Capa
Contracapa
CD

1- Tic Tic Tac (6 Nylon Radio Edit) 3´41
2- Tic Tic Tac (Rosabel Radio Edit) 3´49
3- Tic Tic Tac (Calderone Radio Edit) 3:45
4- Tic Tic Tac (Original Radio Edit Spanish) 3´23
5- Tic Tic Tac (Rosabel Tiki Tiki Dub) 11´43
6- Tic Tic Tac (Rosabel House Mix) 8´43
7- Tic Tic Tac (Bang Da Drum Mix) 7´00
8- Tic Tic Tac (Play Hard House) 6´15
9- Tic Tic Tac (Batucada NRG Mix) 4´32

Em 1996/1997 foi editado no Brasil um Cd single com remixes do Dj Cuca apresentando as seguintes versões: 
Capa

1- Tic Tic Tac (Dance Cool Mix) 3´40
2- Tic Tic Tac (Ska Reggae Mix) 3´40
3- Tic Tic Tac (Eurodance Remix) 4´50
4- Tic Tic Tac (Eurodance Edit) 3´30
5- Tic Tic Tac (Underground Remix) 4´30
6- Tic Tic Tac (Underground Edit) 3´30
7- Tic Tic Tac (Club Mix) 4´54
8- Tic Tic Tac (Album Version) 3´35

Na Italia foi editado em 1997 um single vinil 12” apresentando as seguintes faixas:
Capa
Contracapa
A1- Tic, Tic Tac (M2 Remix) 4´48
A2- Tic, Tic Tac (Cuban Remix) 4´40
B1- Tic, Tic Tac (Club Mix) 4´50
B2- Tic, Tic Tac (Single Edit) 3´17

No continente Europeu foi lançado um Cd single com quatro remixes apresentando uma cantora chamada Chilli (???):
Capa
CD

1- Chilli Featuring Carrapicho / Tic Tic Tac (Radio Edit 1) 3´45
2- Carrapicho Featuring Chilli / Tic Tic Tac (Radio Edit 2) 3´45
3- Chilli Featuring Carrapicho / Tic Tic Tac (Club Mix) 6´50
4- Carrapicho Featuring Chilli / Tic Tic Tac (Copacabana Drive Mix) 6´46

O mesmo single também foi distribuído na Europa de forma promocional, mas com a imagem de capa diferente:
Capa
Contracapa
CD

Na Alemanha o Cd single editado 1997 ganhou uma capa azul e as mesmas versões que o single editado na Europa:
Capa
Contracapa
CD

1- Chilli Featuring Carrapicho / Tic Tic Tac (Radio Edit 1) 3´45
2- Carrapicho Featuring Chilli / Tic Tic Tac (Radio Edit 2) 3´45
3- Chilli Featuring Carrapicho / Tic Tic Tac (Club Mix) 6´50
4- Carrapicho Featuring Chilli / Tic Tic Tac (Copacabana Drive Mix) 6´46

O Brasil, os índios, a confusão e o descaso.

A equipe do blog Brasilremixes seria covarde ao falar da canção do grupo Carrapicho, fingindo que está tudo bem e que a vida é normal. Mas não está e nunca esteve normal em se tratando do Brasil.

Podemos afirmar que o povo brasileiro vive uma confusão ideológica/educacional. Essa história de concentrar a maior diversidade étnica e cultural do mundo fez com que o país perdesse o foco. Ao longo dos anos as pessoas observam de forma passiva, os seus representantes musicais serem transformados em artistas de gueto. Cada estado do Brasil inventou o seu folclore musical particular e a população distraída faz de conta que aceita sem ter opção/conhecimento, e principalmente – sem ser consultada! Caminhando pelas ruas no país é fácil perceber que não existe um folclore único. A unidade cultural do povo, além de ser superficial, (o Brasil não conhece o Brasil) começa onde algumas redes de televisão mostram a cultura que lhe convém, de acordo com o entendimento educacional que possuem e de acordo com o dinheiro com que lhe pagam para divulgar as informações. Tudo é mostrado sob o olhar atento da elite cultural dominante e dos patrocinadores que sustentam os donos da mídia.

- Como a população gostaria de se ver representada?
- De que forma a população gostaria de ser representada musicalmente?

Questionamentos sem respostas se tornaram frequentes. A cartilha do comportamento brasileiro sugere que as pessoas que moram na região sul devem curtir a música que as pessoas do sul acham interessante. Quem é da região norte deve prestigiar as melodias produzidas na região norte, apenas porque moram nesse local e assim sucessivamente em todo o território nacional. Cada região (Norte/Nordeste – Centro – Sudoeste/Sul) defende que sua música e seus artistas - comerciais ou não - são mais importantes que os outros. Para piorar, o interesse cultural simplório e confuso das pessoas tem se mostrado com ares de fundamentalismo musical. Tentar entender a musicalidade brasileira é como entrar numa guerra e se deparar com vários conflitos e interesses em todas as esferas sociais. Para isso, listamos algums exemplos e situações mal resolvidas, que prejudicam o desenvolvimento cultural do Brasil e alimentam o ego daqueles que se acham mais fortes:

Música de pessoas ricas X música de pessoas pobres
Música de branco X música de preto X música de índio
Música caipira X música urbana
Música de brasileiros nacionalistas X música de brasileiros pluriculturais
Música de diversão X música de protesto
Música para pessoas tradicionais X música de pessoas modernas
Música comercial X música underground
Música de homem X música de mulher X música de gay
Música de jovem X música de velho
Música de pessoas desenvolvidas X música de pessoas atrasadas X musicas de pessoas indiferentes
Música religiosa X música profana (fenômeno mais recente)

A babilônia cultural brasileira que era divertida se transformou num pesadelo que vai além da competitividade! Para muitas pessoas envolvidas com a cena musical tupiniquim, o assunto pode até ser visto como novidade. Mas, para a equipe do blog, essa situação representa o quanto as pessoas são mentalmente limitadas ao julgamento musical simplório do gostar ou não gostar e nem perceberam o tamanho da confusão ideológica do povo que está a seu redor. 

* Agradecimento especial ao Dj Max que colaborou com a postagem de hoje!