sexta-feira, 26 de agosto de 2011

OTTO - Changez Tout Samba pra burro dissecado (remixes)

CD Box do cantor OTTO




















Não é possível falar sobre o trabalho musical do cantor Otto sem mencionar a coletânea de remixes chamada “CHANGEZ TOUT - Samba pra burro dissecado”. Esse projeto apresenta de forma inédita no Brasil um álbum duplo de remixes. (Até o o seu lançamento só existia single ou álbum normal de remixes de artistas nacionais e não um álbum duplo de remixes!) Lançado em 2000 pela gravadora Trama, o álbum foi editado em duas versões. A primeira na forma simples em Cd duplo e a segunda em edição especial no formato de Box com livro e dois Cds independentes (um laranja e outro em vermelho). Em ambas as edições todas as músicas foram contempladas. A diferença está no formato especial do Box com tiragem numerada e limitada em 5000 mil cópias. Apenas por curiosidade, o arquivo do blog BRASILREMIXES possui a edição de número 671.
Changez Tout é uma expressão francesa que em português significa “mudar tudo”. Aliás, um termo bem apropriado para o Cd de remixes do cantor que foge não apenas do estilo tradicional de dance utilizado no Brasil, mas também, por destacar diversos conceitos melódicos bem diferentes dos que eram feitos no país na virada do milênio. Nessa fase o flerte com a concepção eletrônica era inevitável e a utilização de estilos musicais brasileiros característicos da região norte e nordeste do país auxiliaram no desenvolvimento sonoro deste Cd. Changez Tout não apresenta remixes super-dançantes e comerciais pois o seu foco principal está mais voltado para o eletrônico conceitual e alternativo. O álbum foi produzido com a colaboração de vários artistas. As imagens contidas no encarte foram feitas por Vavá Ribeiro. Folhando o livro que acompanha o Box é possível ler um parágrafo escrito pelo jornalista Renato L. que sintetiza muito bem o projeto do Cd:

“Em CHANGE TOUT - Samba pra burro dissecado o que mais importa é a aposta que se esconde por trás do projeto: O remix não é encarado apenas como uma maneira de tornar a música mais radiofônica, mas acessível, e sim como uma chance de abrir um novo espaço pra a criatividade. Uma convocação para os alquimistas sonoros de plantão exercerem suas magias....”

CD 1

Capa do single do CD1














1 – Bob (Bossa velha mix) 5 ´59

Análise: Remix produzido por BID. O estilo de downtempo ou slowbeats permanece nos acordes musicais bem próximos a versão original. Não se trata de um remix para os clubs, mas é perfeito para bares, restaurantes e salas musicais com um público mais selecionado e conceito voltado para lounges e chillouts.

2 – O celular de Naná (DJ Patife mix) 6 ´09

Análise: Ótima versão em drum n´bass. Poderíamos chamar de Brazilian drum n´bass. Produzido pelo DJ Patife.

Imagem Box (frente)





















3 – Reanult/Peugeot (Rica Amabis e Luca Raele mix) 3 ´39

Análise: Remix com abordagem conceitual. Os arranjos iniciais sintetizados e distorcidos lembram buzinas de automóvel.  A estrutura melódica segue uma linha mais contida e apresenta influências discretas do movimento MangueBeat.

4 – Café preto (M4J mix) 4 ´43

Análise: M4J é um projeto musical eletrônico com estilo predominante voltado para o Techno. Entretanto, diria que esse remix está mais para o Techno dançante do que para ser tocado numa rave, por exemplo. Mas os aspectos musicais abstratos fazem a diferença.

Detalhe do encarte do livro que acompanha o CD Box












5 – Changez Tout (Superchocoboy mix) 6 ´32

Análise: Essa faixa remixada por Superchocoboy tem ênfase na percussão e não destaca muito a melodia. Quem conhece e já está acostumando em ouvir música eletrônica há muito tempo, poderá perceber claras influências do techno misturado com beats quebrados (Broken Beats) que era produzido nos anos 90. É óbvio que tudo isso com uma levada bem mais comportada.  Boa versão para ambientes como lounges e chill outs.

6 – Distraída pra morte (Da viola Max de Castro mix) 4´17

Análise: Remix produzido por Max de Castro. Possui uma abordagem musical voltada para a bossa nova levemente quebrada por acordes envolventes do drum n´ bass.

7 – Ciranda de maluco/batendo o tambor (Apollo 9 mix) 8 ´36

Análise: Se o assunto for criatividade, esse remix é show de bola! Produzido por Apollo 9, essa versão é cheia de interferências tribais e quebradas melódicas que atrapalham e harmonizam o andamento da melodia. A construção desse remix foi muito interessante. Ele faz com que o público fique hipnotizado com a vibração dançante e ao mesmo tempo envolvido em movimentos quase lisérgicos  sem entender nada. Um dos melhores remixes do álbum.  Pra quem entende, é claro!

8 - O celular de Naná (ABU mix) 5 ´35

Análise: Remix assinado por Andre Abujanra, com uma abordagem simples e destaque para a voz distorcida do cantor Otto acompanhado de influências musicais do MangueBeat.

9 - Reanult/Peugeot (AD mix) 4 ´24

Análise: Remixagem de atitude com levada bem eletrônica produzida pela dupla “AD”. É tipo de versão que tocaria em clubes ou inferninhos com o charme do extinto e lendário “Hells Club” em São Paulo. 


10 – BOB (Edu K mix) 4 ´57

Análise: Remix de peso nessa coletânea assinando por EDU K. Aliás, não se trata de um remix alucinante, pelo contrário, a suavidade melódica dessa canção fez com que ela se tornasse um dos remixes brasileiros mais badalados nas compilações internacionais de lounge e chill out lançadas na época. Falando sobre o trabalho desenvolvido por EDU K, diria que se trata de um personagem musical complexo e cheio de extremos. Ora ele está voltado para o rock n´roll e pop rock. Um tempo depois você vê ele detonando todas ao fazer caras e bocas no melhor estilo Marilyn Manson e Prodigy.  Então desaparece da cena musical. De repente, ele renasce fazendo estilo rap, hip-hop e funk carioca ao lado de popozudas. Um tempo depois surge novamente ao produzir um dos mais belos remixes nacionais no conceito downbeats, misturando a bossa nova ao ambient eletrônico fazendo clara referência as canções etéreas produzidas por Moby. 

Capa do livro que acompanha o CD Box



















11 – O celular de Naná (Technozoide mix) 5 ´37

Análise: Outro remix para a música O celular de Naná, mas apresentado por Tecnozoide. Nessa melodia podemos observar uma versão mais suave, quase experimental, com sussurros e referências ao Acid House e ao Ambient Techno produzido no início da década de 90. Ótima pedida pra quem gosta do estilo.

12 – São Paulo (Nude Mix) 5 ´31

Análise: Remix eletrônico produzido por NUDE  voltado para o trance com sotaque americano. Como assim? O estilo já passou por diversas fases e existem vários tipos de trance como trance europeu, trance alemão, trance americano, psy trance, goa trance, neotrace, hard trance entre outros...
Trance é um diminutivo da palavra trancedental no sentido de trancender a música. O estilo passeia por vários conceitos desde o comercial, o underground, o alternativo, o abstrato etc. o trance pde ser suave ou acelerado, possui um clima cósmico, viajante, emotivo, lisérgico, hipnótico, etéreo, melódico e intimista. Geralmente é instrumental, mas também pode ser cantado.

13 - Distraída pra morte (Muchacho´s Cut) 3 ´34

Análise: Remixagem feita por Muchacho Alves com influências do Trip hop. Sem dúvida, se trata de uma versão direcionada para lounges e chill outs.

14 – TV a cabo/ O que dá lá é lama (medley) 3 ´14

Análise: Medley produzido por Garcia y Carvalho sem cara de remix. Parece ser apenas uma versão diferente.


CD 1























Changez Tout – Samba pra Burro Dissecado é explicado pelo próprio Otto, em texto apresentado no livro:

“Num mundo tão remixado o Brasil só pode ser rei. O remix aqui começa na pele, em anos de miscigenação racial. Os DJS que contruíra Changez Tout - Samba para Burro Dissecado representam perfeitamente este mix. Esta consciência faz redobrado o prazer de entregar minha criação para estas pessoas e ouvir de volta coisas tão maravilhosas e diferentes. Espero que este disco contribua para a música eletrônica brasileira e que estes amigos voem bem alto. Este disco é deles. Salve o grande Deus digital.” 

OTTO

Para mais informações sobre o trabalho do artista acesse: http://trama.uol.com.br/otto/hotsites/principal/

Capa do single CD2













OBS: Após ouvir com atenção todos os remixes apresentados no primeiro Cd, tem se a impressão de que o segundo volume possa ter sido prejudicado pela repetição de estruturas (idéias) e conceitos musicais.

1 - O celular de Naná  (DJ Dolores mix)

Análise: Esse remix produzido por DJ Dolores possui várias referências do Manguebeat e influências afro-brasileiras temperadas na medida certa, com o aporte tecnológico ao qual o DJ se propõem em sua releitura musical que tem a participação do percussionista Nana Vasconcelos.


2 – Distraída pra morte (Mamelo Sound System &  Marcos Axé mix) 3´56

Análise: Mais um remix com influências musicais nordestinas com a adição de elementos lúdicos bem próprios do pessoal que trabalha em circo e em teatro popular no interior do país. Remistura produzida por Mamelo Sound System &  Marcos Axé mix. 


Imagem Box (verso)




















3 – Renault/Peugeot (2 caras mix) 5´46

Análise: Remix ao estilo drum n´bass produzido por Ram Science.

4 – Changez Tout (Monoaural Mix) 2´56

Análise: Remix experimental produzido por Kassin & Berna Cepas.

Outro detalhe do livro que acompanha o CD Box













5 – RE/PE (2 Freaks TB & Mamborin remix) 7´43

Análise: Faixa remixada por Camilo Rocha e Dj Yah! Essa versão é um dos melhores remixes apresentados neste segundo Cd. Uma faixa eletrônica dançante com sample de escola de samba e influências que vão do techno ao progressive house.

6 – Ciranda de maluco (João Marcelo mix) 5´09

Análise: Remix pouco criativo com pitadas sutis de drum n´bass. Produzido por João Marcelo.

7 – Renault/Peugeot (6 Renault 6 Peugeot 6) 2´34

Análise: Remixagem voltada para o Trip-hop, produzido por dj Nuts.

8 – TV a cabo/ O que dá lá é lama (medley) 6´59

Análise: Essa versão é assinada por Friendtronik que adiciona riffs de drum n´bass como base no andamento melódico da canção. 

9 – BOB (Scratchadelic experience mix) 7´27

Análise: Produzido por DJ Marky, esse belo remix também apresenta uma levada ao estilo drum n´bass e resgata um pouco do clima “jungle” ao qual o drum n´bass foi classificado em suas primeiras aparições na cena musical.

10 – Café preto (Pingado mix) 4´05

Análise: Uma versão bem “fusion” misturando vários conceitos musicais. Aqui você encontra elementos do rap, hip-hop, trip hop, acid jazz, ambient, e outras interferências melódicas.  Em resumo, uma ótima canção para viajar na fumaça. Remix editado por Leon T. Jr  e DJ Pliff.

Detalhe do verso do livro que acompanha o CD Box



















11 – Low 4 ´41

Análise: Remix ao estilo Broken beats com influências dos ingleses do Chemical Brothers e Propellerheads. Interessante. Produzido por Marcelinho.

12 – BOB (Vr. 303 x 505) 4´53

Análise: Independente de gênero eletrônico é possível perceber quando um remix é interessante prestando atenção apenas na atmosfera melódica que ele transmite ao ouvinte. Essa releitura pode ser considerada experimental, abstrata, conceitual e até com influências do drum n´ bass.  Mas independente disso, essa versão tem personalidade ao apresentar uma mixagem com timbres musicais “limpos e vivos” sem embolar a canção. Boa pedida para quem já está familiarizado com o ambiente sintético. O destaque é a participação da cantora Bebel Gilberto. Faixa produzida por Edgar Scandurra.

13 – Café preto 4´32

Análise: Muitos brasileiros já conhecem o termo “malevolência” que é utilizado para falar de algumas musicas na área de samba e pagode. Porém, talvez seja a primeira vez que alguém utilize a palavra “malevolência” para definir o “felling” dessa melodia eletrônica. Nesse remix sem nome, mas produzido por FLUX, os timbres sintetizados se misturam ao suingue malandro da batida do samba.

14 – Low 3´31

Análise: Que tal misturar “Firestarter“ do Prodigy em versão suave e adicionar um pouco de tempero brazuca nessa história??? É o que o remix está nos mostrando. Produzido por Autoload.

15 - TV a cabo/ O que dá lá é lama (medley) (Carangueijo a cabo mix) 4´45

Análise: Outro remix com influências do broken beats (batidas quebradas) ao estilo Chemical Brothers. Produzido por Alvin FX, essa versão tem uma boa pegada nervosa para contentar um público de atitude. 

CD 2






















***Até o momento não há informações de que este Cd box remixes tenha sido editado em vinil. 

CD Box Otto [ livro, cd 1 e cd 2]




















Agradecimento especial a equipe da gravadora TRAMA que se empenhou no desenvolvimento desse projeto, tanto na produção musical quanto no design gráfico. Afinal, essa compilação representa alguma coisa no meio do quase nada na área musical eletrônica brasileira. E olha que o CD nem parece ser tão eletrônico quanto falam!


Um comentário:

Anônimo disse...

Bem legal esse post! A equipe de vcs merece destaque!!!!